Alto custo coloca em xeque o futuro dos super navios aeródromos

Por Felipe Marques e Thiago Jacobino Honório |

O recente anúncio da Marinha dos Estados Unidos de que serão construídos apenas quatro navios aeródromos da nova classe Gerald Ford levantou questionamentos acerca dessas embarcações em um futuro próximo. Segundo a Marinha americana, a baixa quantidade de embarcações planejadas se deve ao fato de seu alto custo, além de haver projetos concorrentes dentro da estrutura interna dessa Força, como os submarinos de mísseis balísticos da Classe Columbia e a evolução de caças de decolagem e pouso vertical, como o F-35B. Os recentes avanços da Rússia e China, em especial no campo dos mísseis de cruzeiro, pode colocar em xeque a defesa dos navios aeródromos.

Impacto em Segurança e Defesa: A combinação de avanços tecnológicos na produção de mísseis somada aos altos custos de construção desse tipo de navio pode implicar na produção de modelos menores, mas especialmente preparados para a utilização de caças de decolagem e uso vertical.

Indicador: Impacto das novas tecnologias nas capacidades navais, não apenas na construção e manutenção de meios, mas também nas doutrinas de emprego, organização dos recursos de defesa, capacitação do pessoal, ensino das escolas militares e instrução do emprego dos meios, adestramento e infraestrutura.

Fonte: CAIAFA, R. O fim dos super navios aeródromos? Classe Gerald Ford ficará restrita a quatro navios (US Navy). Tecnodefesa, 2020. Disponível em: https://tecnodefesa.com.br/o-fim-dos-super-porta-avioes-classe-gerald-ford-ficara-restrita-a-quatro-navios-us-navy/.

Google News


Assine nossa Newsletter


Receba mensalmente o Informativo RADAR em seu e-mail

Últimos Artigos

Turquia chegará à Lua até 2023

Por Caroline Colbert | O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan anunciou no dia 9 de fevereiro um plano de programa espacial com duração de 10...

Degelo atual é compatível com os piores cenários previstos pelo IPCC

Por Victor Gaspar Filho e Thauan Santos | Estudo financiado pelo Conselho de Pesquisa Ambiental britânico constatou que a aceleração do degelo global é condizente...

Japão está desenvolvendo primeiro satélite de madeira do mundo

Por Leandro Laranjeiras e Caroline Colbert | Pesquisadores da universidade de Kyoto e da empresa Sumitomo Forestry iniciaram o projeto dos primeiros satélites do mundo...

Extremos climáticos marcaram o ano de 2020

Por Alice Castelani e Thauan Santos | O ano de 2020 foi marcado por extremos climáticos, evidenciando o agravamento do aquecimento global. 2020 registrou os...

Artigos relacionados

Deixe aqui o seu comentário

Favor informar seu comentário
Favor informar seu nome